segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Eu sei o meu valor

O texto a seguir foi escrito por mim e destinado a alguém (sim, eu mandei). Bem daquele jeito, com gosto de sangue na boca! Dei uma maqueada, retirei umas vírgulas que seguiam do nome do sujeito e exclui a parte em que eu relatava uns acontecimentos que não devem vir ao caso..
Enfim, essa sou.. vocês me conhecem.


"Não sei se você tá interessado ou não, mas não é muito meu tipo deixar de dizer o que eu penso por medo de reações masculinas... também não é meu tipo fazer big textos estilo "desabafo", mas enfim.. no fundo, no fundo, "tipo" é só mais uma coisa que a gente procura pra se limitar fugindo de assumir que todo mundo pode ser tudo numa coisa só.
Ahn voltando, sem desconcentrar..
Eu nunca tive coragem de pedir nenhum tipo de satisfação sua, o que você faz, deixa de fazer e com quem. Se tem um coisa que eu aprendi( do pior jeito possível) nos relacionamentos que tive é a diferença entre uma distração e um compromisso sério. Mas depois de expressivos sinais passei a acreditar que você, infelizmente, se comporta como a maioria dos homens egoístas que tem por aí: aqueles que querem alimentar uma paixãozinha boba, desacreditando na capacidade de percepção da iludida. Isso é, se você não tem a intenção de criar expectativa ou de ser honesto, pra quê os "você é linda", "tenho saudade", "acho que sou o homem certo pra você"? Eu simplismente nunca te pedi isso. Pelo contrário, costumo travar todas as vezes que escuto essas coisas, assim tão no começo de algo.
A verdade é que eu não tenho mais paciência pra disputinha, mentira, histórias mal contadas.. Se eu te encarasse como um desses diversos menininhos disponíveis, eu relevaria. Mas acho injusto eu ter acreditado tanto em você, pra acabar recebendo o mesmo de sempre. Resumindo, não vou admitir ser uma das que você até cogita a ver durante a semana, mas foge nos fins de semana. A que você leva pra lugares legais, mas nunca apresentaria pros seus amigos. A que, dependendo do lugar,você não segura a mão. Eu sei o meu valor. Sei que eu não mereço o papel de coadjuvante.
O que a gente tinha desgastou antes de poder dar certo. Você não deixou.. seu medo te fez me matar de insegurança. Me fez sentir aquela sensação terrível de "escolhi errado de novo.." quando você se contradizia numa história ou mentia pra mim. Posso me comportar feito uma boba do seu lado às vezes.. mas não sou. Eu sei que é muito mais fácil pra vocês homens lidar com uma menininha alienada.. não com uma louca cheia de teorias e pretensões malucas na cabeça ( mas mais divertida, se me permite depor a meu favor), então se fingir de cega facilita as coisas.

É isso.. não me responda com um "Eu tentei o máximo que pude", "Nós temos objetivos bem diferentes", "Aprendi muito com você" ou "Você vai encontrar alguém que te mereça". Esses clichês me dão vontade de cortar o pulso EM MOSAICO pra ninguém nunca mais conseguir costurar.

Ao contrário clichês bem aplicados, pertinentes e ótimos para finalizar um texto que acabou ficou grande demais, então... "Se cuide".

2 comentários:

Lissandra Pedreira disse...

Achei uma ótima forma de "adeus", e uma coragem e tanta, e uma forma de dizer "otário, olha o que você perdeu". Como coloquei no twitter, me lembrou Sophie Calle e sua exposição "Cuide de você", não só pela forma que terminou o seu texto, mas pelo conteudo.

Val Benvindo disse...

Você disse tudo nesse texto, Liu veio e completou!
Ainda estou com a esperança de não precisar dizer que "escolhi errado de novo.."
Belo texto, Mila.
assino onde? pq concordo com tudo e mais um pouco.